A robótica a serviço da vida – Palestra Mútua (Soea)

Em palestra patrocinada pela Mútua, o cientista Luiz Fernando da Silva Borges falou das possibilidades abertas para áreas como a neurociência e a biomedicina

O pesquisador elogiou a iniciativa da Mútua, ao promover uma apresentação que envolve diferentes campos da tecnologia aplicadas à medicina

Desenvolver uma prótese robótica de membro superior que possa estabelecer uma interface cérebro-máquina e, assim, permitir que pessoas recuperem o movimento e a sensibilidade corporal. Esse é o objetivo de uma das pesquisas do cientista Luiz Fernando da Silva Borges, que apresentou a palestra Os desafios de construir o futuro no nosso presente: prendendo fantasmas em robôs, projeto de pesquisa que integra várias engenharias: eletrônica, da computação, mecatrônica e mecânica, entre outras, e que integrou a programação que abriu os trabalhos do segundo dia da 76ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia, na manhã de quarta-feira, 18, em Palmas (TO).

Outro projeto realizado por Luis Fernando – que tem 21 anos, é estudante de Engenharia Mecatrônica do Instituto Insper e filho único de um soldado bombeiro e de uma professora do ensino fundamental – consiste num computador que, por meio de eletrodos, estabelece a interface cérebro-computador para se comunicar com pessoas inicialmente classificadas em estado vegetativo ou coma.

O aparelho detecta modulações voluntárias, tomadas em registros em tempo real da atividade cerebral, transformando efeitos fisiológicos em decisões ou respostas intencionais, a fim de promover um canal de comunicação entre a equipe médica ou a família e o paciente. Segundo ele, o equipamento está pronto e aguardando autorizações de comitês de ética para que haja um teste em ambientes como UTIs.

Luiz Fernando – que participou da Soea a convite da Mútua, patrocinadora da palestra – explica, em entrevista à TV Mútua, a importância de debater temas que envolvam inovação e empreendedorismo nas Engenharias. Ele declara que se sentiu honrado de participar do evento, que “é uma ode às Engenharias”, afirma.

“Acredito que a Mútua foi pioneira e visionária ao trazer uma apresentação como essa, para um evento como a Soea – um evento que, à primeira vista, é tradicional, com exposições mais técnicas e específicas de cada uma das Engenharias. Uma apresentação que demonstra a possibilidade de integrar diferentes campos é um pouco diferente e a Mútua teve essa visão, de trazer uma inspiração e um incentivo para as demais áreas. Isso ficou comprovado pelo feedback do público”, elogia.

O pesquisador destaca a importância das Engenharias para a biomedicina e a neurociência, áreas multidisciplinares que trazem impactos na vida humana. “Engenheiros eletricistas, mecânicos e da computação, juntos, podem criar artefatos que melhoram a vida das pessoas”, indica.

Luiz lembra o trabalho pioneiro do pesquisador Miguel Nicolelis. “Fico muito contente que um brasileiro pavimentou a área de pesquisa cérebro-máquina; o professor Nicolelis demonstrou, com várias técnicas, como libertar o cérebro dos limites físicos do corpo. Primeiro com a macaca Aurora, depois com o exoesqueleto apresentado na abertura da Copa do Mundo de 2014. Tal como uma criança, nos Estados Unidos, foi inspirada pela viagem da nave Apollo, eu fui inspirado por ele para o meu trabalho”, conta.

Perfil

Natural de Aquidauana (MS), filho de uma família simples, Luiz Fernando desenvolveu, nos últimos três anos, pesquisas e tecnologias na área de Engenharia Biomédica com modelagem estatística de processos termodinâmicos para amplificar o DNA; próteses robóticas de membro superior com feedback tátil; dispositivos de monitoramento do sono para a regulação do ciclo circadiano e interfaces cérebro-máquina de loop fechado embarcadas em sistemas de processamento distribuído para a comunicação com pessoas inicialmente classificadas em estado vegetativo ou coma.

Atualmente, trabalha em uma start-up de tecnologia que tem como objetivo desenvolver alguns desses equipamentos. Com mais de 60 prêmios nacionais e internacionais, o ex-aluno do Instituto Federal de Educação, Ciência, e Tecnologia de Mato Grosso do Sul, recebeu o prêmio concedido pelo MIT Lincoln Laboratory, por meio do programa Ceres Connectione. O pesquisador teve seu nome submetido ao International Astronomical Union (IAU), que batizou o asteroide 33503 como Dasilvaborges, em sua homenagem.

Fonte: Gecom Mútua

Fotos: Dimmy Falcao e Rafael Victor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support