Para compreender o Sistema e o Desenvolvimento Nacional

Por dois dias, coordenadores regionais, conselheiros federais e representantes da Mútua dedicaram-se às 510 propostas, já prontamente organizadas por analistas da Superintendência de Integração do Sistema – SIS e Grupo de Apoio Técnico ao CNP. Segundo o presidente do Confea, eng. civ. Joel Krüger, o conjunto de propostas que integra o Caderno do CNP “representa uma síntese da visão da Engenharia, da Agronomia e das Geociências sobre como deverá ser a nossa atuação nos próximos anos, as nossas prioridades, em torno de questões fundamentais para o andamento do Sistema, bem como para o nosso posicionamento estratégico em torno de políticas públicas que contribuam para o desenvolvimento do país. Há inovações, como a proposta do Programa de Aperfeiçoamento Profissional, e a sustentação de pautas já trabalhadas, caso da defesa da Carreira de Estado e da não contratação por pregão e RDC”.

Veja a íntegra das Propostas Nacionais Sistematizadas

Livro de Ordem Digital e Vant
O primeiro grupo, liderado pelo coordenador do Congresso Estadual de Profissionais do Crea-SP, Sávio Simões, proporcionou seis Propostas Nacionais Sistematizadas em torno do eixo Inovações Tecnológicas; abrangendo os seguintes temas: fontes alternativas de energia; banco de dados unificado; Building Information Modeling (BIM); tecnologia na fiscalização (uma proposta sobre a padronização do Livro de Ordem Digital e outra sobre o uso de Veículo Aéreo Não Tripulado – Vant e de drone) e políticas públicas de incentivo à pesquisa e inovação.

Conama e energia fotovoltaica
Seis propostas também foram homologadas no Grupo de Trabalho Recursos Naturais, em torno de desdobramentos como: representação junto à ABNT; agrotóxicos; representação junto ao Conama; saneamento básico; Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS e estímulo à geração e consumo de energia fotovoltaica. O grupo foi coordenado por Felipe Monclair (Crea-RO).

Embargo, planos de infraestrutura e contratações
Já o  coordenador do GT Infraestrutura, Ricardo Veiga (Crea-GO), liderou a sistematização de nove propostas em torno de: alterações na Lei 5.194/1966 voltadas a embargo de obras e serviços de engenharia, agronomia e geociências; articulação voltada a planos governamentais estratégicos de infraestrutura; proposta de criação do Programa Nacional de Assistência Técnica em Desenvolvimento Urbano com equipes profissionais multidisciplinares; ações estratégicas na área energética; criação de plataforma digital com informações das edificações; posicionamento contrário às contratações de obras e serviços especializados da área tecnológica por meio de Pregão Eletrônico ou do Regime Diferenciado de Contratações; criação de Grupo de Trabalho para subsidiar a implantação do Plano Nacional de Saneamento Básico – Plansab; proposta de criação de um Plano Diretor de Logística Intermodal Terrestre e Marítimo e proposta de definição da Engenharia, Agronomia e Geociências como carreiras de Estado.

Exame de Proficiência, cursos e aperfeiçoamento
Coordenado por Samir Jorge (Crea-PR), o GT Atuação Profissional teve sistematizadas 20 propostas em torno dos seguintes temas: proposta em defesa do Exame Nacional de Proficiência do Conselho; proposta em defesa do envio de projeto de lei para que o Confea para participar da criação de novos cursos junto ao MEC; proposta para atualização dos projetos pedagógicos dos cursos afetos ao Sistema; elaboração do Programa de Aperfeiçoamento Profissional – PAP; criação de grupos de trabalho para estabelecer procedimentos para a regulamentação dos profissionais egressos da modalidade EaD; estímulo a programas de inventivo a empresas juniores e de contratação de estagiários e novos profissionais; alteração da legislação para aumentar o repasse financeiro do Sistema às entidades de classe;  defesa da valorização profissional; aumento da penalização por infrações éticas, por meio de alterações da Lei 5.194/1966; mudanças na legislação referente à ART; ampliação da fiscalização sobre empresas e órgãos da administração pública; redução da burocracia para a obtenção da Certidão de Acervo Técnico – CAT; Projeto de Residência Técnica, em nível nacional, para profissionais com até três anos de formados; retomada da carga horária de cursos de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho para 600h; fomento de parcerias com programas de pós-graduação e elaboração de estudo para criação de estratégia de impacto; desarquivamento da Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Bacharelado em Geografia; gestões para requerer a retirada do PL 3.451/2019; ação parlamentar em defesa do registro pleno de geógrafo; criação de seção da assessoria parlamentar no site do Confea e promoção de parcerias para levar pesquisas acadêmicas ao mercado.


 

Projeto executivo, selo de conformidade e Performance Bond
Por fim, o grupo Atuação das empresas de engenharia, sob a coordenação de Márcio José Sá Dantas Luz (Crea- RN), teve aprovados os temas: alteração da Lei 8.666/1993 para que obras e serviços de engenharia sejam licitados com base em projeto executivo e na modalidade técnica e preço;  taxas atrativas para as debêntures de infraestrutura; regulamentação da concessão do selo de conformidade às empresas regulares junto ao Sistema Confea/Crea; e defesa legal do sistema de Performance Bond, em que os agentes são garantidos por Apólice de Seguros contra o descumprimento de suas cláusulas.

Equipe de Comunicação do Confea

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support